Como se preparar para gerenciar uma crise nas redes sociais?

A propagação instantânea das informações publicadas nas redes sociais gera uma vulnerabilidade sem precedentes e privilégios, comprometendo facilmente a imagem de uma empresa para o bem o para o mal.
Uma crise pode ser gerada por qualquer fator, seja ele um aspecto de fato delicado ou algo irrisório, que jamais teria chamado a atenção da marca. Textos bem articulados ou belos discursos vazios não são suficientes para reverter a situação. É necessário agir com rapidez e inteligência.

Abaixo elencamos algumas das principais medidas que podem ser aplicadas caso uma crise aconteça:

 

Monitore as redes sociais continuamente
Acompanhar o que é publicado sobre sua marca e seu segmento nas redes sociais é indispensável para entender as ameaças, que por vezes podem até serem revertidas em oportunidades.


Tenha uma equipe especialista em crise
Capacite a equipe para que possuam uma visão micro e macro das áreas e processos da empresa, isso é valioso. Um time qualificado e focado saberá agir diante de uma situação assim.


Saiba reconhecer os erros e problemas
Negar ou fingir que a crise não existe é, dependendo do buzz gerado, mais nocivo do que assumir uma posição mais transparente e humanizada junto ao consumidor.


Não afaste o seu público
Defina quais são os perfis do seu público que devem prioritariamente ser inteirados do posicionamento da marca em relação ao problema, como: colaboradores, clientes e imprensa.


Resolva a crise no ambiente onde ela foi gerada
Se a crise foi gerada no Facebook, foque a comunicação do gerenciamento de sua crise por lá. Isso mostra que a empresa está empenhada em resolver o contratempo e gera motivos para o consumidor acreditar nas mudanças propostas.


Seja ágil
A rapidez dentro das redes sociais demostra a preocupação e disposição da marca para responder perguntas e tirar dúvidas em tempo real.


Publique um comunicado oficial
Além de continuar interagindo com o usuário, publicar uma nota de esclarecimento no canal oficial onde deu-se início a crise é uma possibilidade de alcançar uma base maior de usuários. Onde há comunicação clara e objetiva, as situações se tornam menos difíceis.


Colaboradores motivados
Conduza os colaboradores para o lado de sua marca. Os mantenham informados e evidencie a importância que o time possui para a empresa.


Nada de desespero
O desespero é a porta de entrada para que os descuidos sejam cometidos. Lembre-se que todas as empresas estão sujeitas à crise, não importa qual o porte ou a área de atuação.


Escolha as palavras com cautela
É necessário analisar cada palavra dirigida ao público. Afinal, quando mal colocadas, elas podem ser interpretadas de maneira negativa, detendo o poder de agravar ainda mais a crise.


Aprenda com a adversidade
Se tudo resulta em um lado bom e o outro ruim, definitivamente uma crise pode ser potencialmente interessante para levantar questões e rever pontos necessários para abrir rotas diferentes para alcançar o objetivo da marca.

 

Vale lembrar que não existe uma fórmula 100% segura para gerenciar uma crise. É preciso se envolver a fundo para elaborar uma estratégia específica adequada ao caso.

 


Por Elayne Merces
Analista de SAC 3.0 na iCustomer

Você já se perguntou como está a presença digital da sua marca?

Estar presente no meio digital se tornou imprescindível para qualquer marca – é vital. Pensando nisso, a iCustomer desenvolveu sua Análise de Presença Digital.

 

A Presença Digital  é um composta por uma série de fatores e indicadores que constituem e que sustentam sua marca digitalmente. Ter uma página ou um perfil apenas já não é mais o bastante – cada vez mais se faz necessário uma estratégia concisa para atingir seu target na mídia social. Com a análise da presença digital, você tem uma leitura clara de como sua empresa é vista pelo seu público-alvo e qual a melhor forma de se comunicar com eles. A forma com que você, sua marca, sua empresa e seu produto ou serviço vão estar presente no cenário online.

presenca digital

 

A finalidade da análise de Presença Digital é examinar toda a performance gerada pela marca em seus canais oficiais e não oficiais nas redes sociais. Para isso, baseia-se nos principais indicadores: alcance e impressões – que significam, basicamente, as pessoas que estão sendo impactadas pelo conteúdo gerado pela sua marca, nas interações que esse conteúdo recebe – comentários, reações e compartilhamentos, entre outros. É fundamental também, a análise do share of voice de sua marca em relação aos concorrentes, bem como os pontos de ameaça e oportunidade que a cercam – estudando sua polaridade, seu conteúdo e forma.

 

Para conhecer melhor esse e outros serviços da iCustomer, entre em contato com a nossa equipe pelo endereço marketing@icustomer.com.brou pelo telefone (11) 50091-2777 ramal 2525.

E se você pudesse planejar suas ações de marketing, conteúdo e relacionamento pelo comportamento dos usuários nos seus canais digitais?

Quando a conversa gira em torno de conteúdo, relacionamento e marketing nas mídias sociais, as ações que sua marca planeja nesse ambiente também são influenciadas pelos diferentes comportamentos do consumidor.

Se a nova campanha está agendada para o mesmo horário em que geralmente é publicado um número maior de conteúdos negativos, ela pode ter uma repercussão diferente da esperada. O mesmo vale para conteúdos que precisam ser consumidos pelo público, mas são divulgados em momentos de baixa audiência na sua página.

Relatorio - Comportamento_Consumidor 01

Entre os relatórios produzidos pela nossa equipe de Buzz Inteligence utilizando a ferramenta iCustomer, temos a análise de comportamento de usuário, que monitora os padrões de comportamento de acordo com as polaridades das publicações, os picos de audiência e de usuários alcançados pelas atividades dos usuários.

“A análise de comportamento de usuário é ideal para a marca observar os padrões e frequência de interações dos usuários em seus canais digitais, bem como o sentimento gerado por essas interações, para assim, traçar estratégias baseadas em Branded Content e Engagement User“, comenta nosso especialista em Buzz Inteligence, Jackson Alarcon.

Para basear o planejamento digital da sua marca também levando em consideração os padrões criados pela sua audiência, entre em contato com a nossa equipe de atendimento.

 

O que as Reactions do Facebook querem dizer?

reactions

Entender como o usuário responde ao conteúdo oferecido por sua marca é fundamental, pois pode nortear o tom do conteúdo da página e balizar essa abordagem com seus interesses. É necessário saber qual a reação que desejo do meu público com aquele conteúdo, para em seguida mensurar cruzando minuciosamente o retorno obtido. Por exemplo, se o conteúdo é emocional, como uma campanha de arrecadação de agasalhos para o inverno, a reação desejada pode ser a tristeza. Já para uma denúncia, como em algum caso envolvendo violência, a raiva seria bem compreendida. Com essas novas formas de interação, não há o óbvio: o sentimento dos usuários podem apontar qual o caminho a seguir com o seu conteúdo, campanha e até mesmo posicionamento na mídia social.

“Existem várias métricas na internet que projetam como calcular as reações, mas, basicamente, a maioria se concentra em dar peso positivo as reações positivas (love, haha e wow) e peso negativo as negativas (sad, grr) e depois dividir pelo total de reações. Entretanto, a análise em BI deve ser pautada não apenas nos indicadores de reações do público, mas sim, no conteúdo que foi gerado”, explica Jackson Alarcon, coordenador de Buzz Intelligence do iCustosmer, exemplificando: “algumas publicações tem conteúdo humorístico e de inovação. Com isso, as reações “haha” e “wow”, respectivamente, são as mais esperadas pela marca. Ao analisar as reações baseado no tipo de conteúdo, percebemos algumas reações que não estavam conectadas com a publicação. Ao fim, verificamos alguns usuários “não satisfeitos” com as inovações da cia., reagiram de forma negativa ao conteúdo previamente estimulado para receber “wow” .

Porém, Jackson alerta quanto aos cuidados que a análise deve levar: “Em reactions, se deve prestar atenção no que o conteúdo gerado pretende alcançar em seus usuários, sendo que, algumas vezes, seja proposital a reação “sad”, por exemplo. Sendo assim, esta não pode ser levada em consideração como uma “reação negativa”, mas sim, uma reação influenciada pela publicação. Portanto, a análise do conteúdo deve ser realizada antes de qualquer outra análise em reactions”, conclui.

iCustomer testa a mais nova e mais esperada versão de API do Twitter

Banner1

 

 

 

 

 

 

 

O Twitter divulgou duas novas interfaces de programação de aplicativos (API em inglês) e convidou a iCustomer para testar. As APIs permitem a visualização do número dos tuítes orgânicos dos perfis oficiais das marcas e dos dados demográficos dos usuários da rede social. Informações preciosas para todo profissional de comunicação, marketing e digital, pois facilita a mensuração de performance das publicações e a análise da audiência atingida. A novidade acabou de ser divulgada na conferência anual da rede social, agora em outubro, em São Francisco, o Twitter Flight.  E a versão está disponível somente para alguns desenvolvedores no Brasil e no mundo.

Como funciona

O primeiro API, Engagement API, disponibiliza o número de impressões e visualizações nos tuítes orgânicos dos perfis oficiais de uma marca. O programador responsável pelo perfil enviará ao Twitter um pedido com o período de publicações que deseja receber os dados e a rede social responderá com o engajamento (número de respostas, retuítes, marcações como favoritos, cliques nos links e visualizações das mídias linkadas) feito nos tuítes solicitados. Na contagem estão inclusas as interações de seguidores da marca/empresa ou por aqueles que seguem quem retuitou o conteúdo do perfil oficial.

O segundo API, Audience API, funciona de maneira similar. Nele o programador define o grupo de usuários que quer analisar e faz o pedido ao Twitter, que envia um pacote de dados demográficos tais como sexo, idioma e localidade como resposta, sem violar a privacidade dos usuários.

Acesso aos novos dados como aliado ao planejamento de Marketing

Os APIs são um grande avanço para o planejamento de marketing, comunicação e digital das marcas. E, também, uma resposta a um pedido antigo dos profissionais das áreas. Antes, para obter esses dados, as empresas precisavam desenvolver plug-ins externos, tarefa que demandava tempo e verba e, que nem sempre, conseguiam todas as informações que precisavam. Agora, as empresas terão dados confiáveis e em tempo real para analisarem sua performance e audiência na rede social.

Bruno Alves, diretor executivo da iCustomer, afirma que essas informações ajudam as empresas a entenderem melhor seu desempenho na rede e permitem a avaliação e otimização dos esforços feitos no canal. Outro benefício apontado é que os APIs facilitam a interpretação de dados sociais em informações compreensíveis para a empresa.

Para ele, o lançamento dos APIs confirma a tendência apresentada no Customer Service Summit, evento internacional de atendimento ao consumidor da Internet, realizado em outubro, em Nova Iorque, de que o Twitter é um aplicativo essencial para o relacionamento das empresas com seus clientes. No evento, também foi discutido a ascensão da rede de microblogs como ferramenta de atendimento ao consumidor – 80% das perguntas feitas às empresas nas redes sociais são no Twitter, sendo os outros 20% no Facebook.

Para informações técnicas dos APIs acesse o site. Se quiser conversar sobre como a iCustomer pode ajudá-lo a se relacionar melhor com seu cliente no Twitter, entre em contato conosco no telefone (11) 5091 2777 ou marketing@icustomer.com.br