5G: o que é, o que faz e onde está

 

Alguém ainda lembra quando nossos celulares começaram a acessar a internet móvel? Sim, já faz um “tempão”: em 1996 a Nokia teve o primeiro aparelho com acesso móvel — mas, ainda não era para todos os meros mortais. Passado mais algum tempo, por volta dos anos 2000, os smartphones começaram a aparecer e aí sim iniciamos nosso histórico de amor&dependência com a rede móvel.

Pois bem, daí para a evolução da conexão via internet foram alguns pulos, primeiro passamos para o 2G, 3G e, agora, 4G. Porém, daqui a pouquíssimo tempo, estaremos vivenciando o 5G, já denominada uma nova era digital, que nos levará a outro patamar de conectividade, comunicação, facilidades e praticidade no dia a dia.

4G x 5G

O que será que realmente diferencia uma geração de tecnologia sem fios da outra? A velocidade e transmissão de dados. O 4G, usado atualmente, já é considerado bem rápido, com uma altíssima capacidade de upload e download em qualquer dispositivo móvel e tem, em média, uma velocidade de transferência de 1GB por segundo.

Agora, pasmem, o 5G chegará com nada mais nada menos que uma velocidade de 10 GB por segundo. Isso quer dizer, por exemplo, a conexão ideal para que absolutamente qualquer aparelho eletrônico possa se conectar a internet e fazer trocas de dados em um tempo recorde.

É o caso da Internet das Coisas, que precisa mesmo de uma tecnologia como essas para integrar 100% os dispositivos à internet, principalmente quando falamos em smart TVS, serviços de segurança, automóveis e outros aparelhos domésticos. Para colocar aquela cereja no bolo, você poderá baixar um filme HD completo em s-e-g-u-n-d-o-s.

Possibilidades com o 5G

Quando falam que entraremos em uma nova era digital com o 5G, isso não é exagero. Algumas das possibilidades que a rede trará são:

  • 90% a menos de consumo de energia se comparado ao 4G;
  • 100 vezes mais aparelhos conectados à internet;
  • Dispositivos móveis com maior durabilidade de bateria;
  • Mais rapidez na comunicação entre veículos autônomos;
  • Realização de cirurgias remotas com a ajuda de robôs e inteligência artificial. Resultado: melhoria no cuidado da vida humana e auxílio a regiões distantes e sem profissionais suficientes para a cura, entre outros.
  • Assistir ao futebol, show, ou qualquer apresentação na TV por meio da realidade aumentada;
  • Transmissão e ligações por telefone com a ajuda de holográficos — sim, digamos que essa é a visão mais próxima que tínhamos quando pensamos em futuro, não é mesmo?

Onde ele já é realidade

Sim, o 5G começou a rodar em países como Canadá, EUA, Austrália e Coreia do Sul, mas não se engane que ele ainda não chegou “lá”. Ainda há um longo caminho a percorrer, principalmente em relação a estabilidade do sinal, de aparelhos que estão prontos para recebê-lo e da facilidade de acesso por qualquer pessoa.

Contudo, aqui para as terras tupiniquins, a previsão é que ele comece a ganhar espaço já em 2020, atingindo o auge em 2025. Ou seja, daqui a 5 anos esperamos estar imersos nessa velocidade impressionante que o 5G é capaz.

A notícia boa é que, mesmo já nascido no exterior e começando a crescer como deve ser, o Brasil tem tudo para seguir o formato e estarmos também dentro desse universo tecnológico futurístico — como deve ser e, convenhamos, também queremos.

Overview: Singularity University Global Summit 2019


 

A Singularity University, comunidade global de aprendizado e inovação, situada no Vale do Silício, realiza um evento que já virou indispensável para quem trabalha com tecnologia ou, ao menos, tem muitas afinidades com o tema. É o SU Global Summit que, em 2019, tem como tema principal “Create the Future”.

O encontro, que ocorreu no mês de agosto, na Califórnia, e teve na audiência o nosso CEO, Solemar Andrade, e CDO iCustomer-Plusoft, Bruno Alves, debateu e compartilhou muitos assuntos importantíssimos para o momento em que vivemos (e pelo que virá). A gente compartilhar aqui os assunto que chamaram a atenção do time Plusoft e que, de certeza, ainda vai dar o que falar. Dentre eles:

O Futuro das startups

As startups são, sem dúvidas, um dos modelos de negócios mais interessantes do nosso século e que, passado o momento de euforia, ganharam espaço/criaram contornos mais sólidos/fincaram bandeira no mercado.

O grande X da questão é que, em 2000, para abrir uma startup você precisava de, ao menos, 5 milhões de dólares. Ao passo que em 2017, esse valor já caiu para 5 mil dólares. Ou seja: dá para investir, dá para começar, dá para se lançar no mercado.

No Brasil, tínhamos cerca de 100 startups em meados de 2011. Em 2019, segundo os últimos números da Associação Brasileira de Startups (Abstartups), chegamos a incríveis 10 mil startups ativas no país. A tendência é de que, com a facilidade de crédito e a vontade de desenvolver novas soluções, esses modelos de negócios continuem a crescer em todo o mundo.

Inteligência Artificial

Apertem os cintos e acompanhem lado a lado a evolução da IA daqui para frente. Teremos grandes mudanças que estão a passos bem largos:
– Maior facilidade em reconhecimento de padrão;
– Acesso a informações muito mais rápidas;
– Chances menores de erros na leitura de dados;
– IA com maior poder de decisão;
– IA que trabalhe com empatia (usando as ferramentas de Deep Learning);
– IA escrevendo seus próprios algoritmos, vivendo a era da transmutação (traduzindo: ela pensando e tomando decisões por si só, sem precisar mais de nós, humanos);

Além de tudo isso, a IA vai impactar mesmo na medicina. A expectativa de vida será muito maior, em torno de 120 anos até 2050, e graças às facilidades da IA em ler dados, e nos dar respostas muito mais rápidas para melhorarmos nossas condições de vida. Aliado a isso, as tecnologias serão mais do que de ponta na descoberta de curas.

5G

Por essa, meio que todo mundo já está aguardando, não acham? O 5G nos levará a uma nova era, em que absolutamente tudo estará conectado, qualquer objeto e em qualquer parte do mundo.
Teremos vivências mais reais, troca de dados em altíssima velocidade, poderemos “entrar” em filmes, fazer chamadas usando hologramas e um salto enorme na medicina, que terá médicos situados em um lugar, mas operando por máquinas em qualquer lugar do globo.

Sem contar que o 5G ainda nos proporcionará a praticidade de carros autônomos, melhores condições para a produção de alimentos e muito mais.
Cidades conectadas (finalmente!)
Sonho ou realidade? Na verdade, estaremos vivendo as próprias histórias de filmes que criamos. No futuro, nem tão distante assim (coisa de até 20 anos), nossas cidades serão 100% conectadas. Até 2020, por exemplo, teremos 1 trilhão de dispositivos e sensores conectados na internet.
Já para 2030, veremos mais de…100 trilhões de dispositivos fazendo o mesmo. É um salto importantíssimo, e que vai colocar a Internet das Coisas no centro de vários dos nossos afazeres do dia a dia. Cozinhar, preparar um bom banho, pedir um táxi, repassar assuntos importantes da faculdade, planejar o trabalho do dia seguinte, enfim, isso e muito mais poderemos fazer com a ajuda desses dispositivos.

Tudo coisa boa. Tudo o que precisamos. E certamente muitas outras novidades vão aparecer nesse meio tempo, entre o hoje e daqui 20, 30 anos. The future is now.

TOP 3 funcionalidades imperdíveis para quem cuida de redes sociais

 

Otimizar tempo, fazer um SAC 3.0 inteligente, personalizado, surpreendente. Tudo isso é um desejo que está entre as prioridades de quem cuida das redes sociais de uma marca, certo? Pois bem, para estar com os dois passos à frente do que o cliente quer e anda desejando, é bom contar com a força extra da tecnologia e, claro, das suas funcionalidades.

Hoje, as redes sociais mais usadas no Brasil, de acordo com o relatório Digital in 2019, feito pela We Are Social e a Hootsuite, são: Youtube, com 98 milhões de usuários; Facebook, com 130 milhões; Instagram, com 69 milhões; Linkedin, com 29 milhões; e fora ainda as redes voltadas para a mensageria, como o Messenger, Direct e WhatsApp. A penetração das redes sociais no país é enorme e o povo brasileiro é reconhecido mundialmente como um dos que mais usam a internet e plataformas de social media.

Portanto, não há como marcar presença nesse campo e não contar com aliados fortíssimos para cuidar com zelo, dedicação e olhos super atentos o que os consumidores fazem e falam nas redes. Por isso, destacamos 3 funcionalidades que realmente fazem uma enorme diferença nesse SAC 3.0. Confira!

Atendimento direto no Linkedin

Mais voltado para questões e relacionamentos profissionais, o Linkedin vem crescendo ano após ano e hoje é uma das redes mais importantes e influentes no Brasil.

Para ele, também há uma funcionalidade que cai como uma luva no SAC 3.0: é possível encontrar comentários sobre a sua marca e iniciar o atendimento no mesmo momento, acompanhando o feed da conversa do usuário. Isso fará com que a imagem da empresa fique ainda mais ligada a modernidade, atenção e cuidado com o cliente.

Identificação de tags, mesmo sem estar tagueado

Muitas vezes o usuário/cliente fala da sua marca, mas não usa a tag oficial. O comentário pode ir longe, gerar uma discussão positiva ou negativa, e você nem perceber o que está acontecendo até tomar proporções maiores — e gerar até mesmo uma crise.

Então, para evitar tudo isso e sair na frente mais uma vez, existe uma funcionalidade que permite a você identificar um cliente que está falando da empresa, mesmo sem marcá-la no comentário. É aquela coisa, ele fala nem esperando ser visto, mas você aparece lá, faz uma boa surpresa e já começa o SAC 3.0 de um jeito bem moderno.

Atendimento direto no Youtube

Já pensou poder contar com uma ferramenta que faz uma varredura completa no Youtube e, com isso, encontrar comentários de clientes falando da sua marca, de um problema, um elogio etc.?

É possível e com ele você pode já antecipar o atendimento e fazer um excelente SAC 3.0 direto no comentário. Rápido, fácil, simples, direto.

E então, o que achou dessas 3 funcionalidades? Vale lembrar que na iCustomer temos outras que também são feitas para ajudar nesse cuidado das redes sociais. Entre em contato com a gente!

Como preparar suas redes sociais para as vendas de Natal?

 

66% dos brasileiros tem acesso à internet. Passamos cerca de 9h por dia navegando entre sites, blogs, redes sociais e trocando mensagens por aplicativos de mensageria. Temos 127 milhões de pessoas no Brasil com contas ativas no Facebook, e 50 milhões no Instagram. Esses números de peso, levantados pelo relatório da Hootsuite do We Are Social, nos mostram uma pequena ponta do iceberg, quando se fala em importância das redes sociais no nosso dia a dia e como usá-las a favor do negócio.

O Natal vem aí, e desperdiçar a chance de ouro de apostar e investir em estratégias nas redes sociais é perder dinheiro, prestígio, participação e ficar a mercê da parte morna dos bastidores. Se precisa de mais dados para se convencer, veja só: mais ou menos 58% das pessoas já buscou um produto navegando na internet, e 29% afirmam comprarem esses mesmos produtos porque viram primeiro na rede.

Por conta disso, as empresas já sabem que é nesse campo digital que devem estar também. Hoje no país, temos 95% das marcas presentes nas redes sociais, destes, 98% estão no Facebook e 27% no Instagram. Quem quer ser visto, precisa se mostrar e, nesse caso, é bem importante ter uma página ativa e engajada nessas redes. Agora, como preparar as redes sociais para as vendas natalinas fortíssimas que vem por aí?

  1. Conte com o Social Monitoring e o Social Listening

Opa, que tal começar uma bela estratégia digital contando com uma inteligência de ponta para fazer uma varredura minuciosa do que está acontecendo nas redes sociais? O Social Monitoring ajuda você fica de olhos bem atentos as menções da sua marca, para pegar informações imprescindíveis e transformar isso num atendimento redondo com foco na excelência.

Já o Social Listening “ouve” a voz que ecoa nas redes, o que é fundamental para apanhar no ar as principais tendências de comportamento e desejo dos usuários. Com essas duas técnicas juntas, você terá uma ideia mais concreta de como chegar no seu público-alvo, falar a linguagem dele, interagir como ele espera e surpreender com a sugestão de produtos e serviços que são feitos sob medida para essas pessoas. Voilà!

  1. Promova ações inteligentes

Segundo o relatório da Hootsuite do We Are Social, algumas das ações mais comuns e que causam impacto positivo nas plataformas de redes sociais levando os consumidores às compras, são:

  • Ser receptivo (48%);
  • Oferecer promoções (46%)
  • Prover conteúdo educacional (42%)
  • Compartilhar imagens/artes interessantes (38%)
  • Ser engraçado (36%)

Como você pode notar, são ações simples que podem ser trabalhadas no dia a dia da sua marca no Facebook e Instagram. Na verdade, esse tipo de interação é voltada ao engajamento dos clientes, estando sempre por perto e criando laços com o passar do tempo. Daí, quando você começa a falar de uma campanha ou das vendas de Natal, por exemplo, terá mais chances de ganhar a atenção do consumidor.

Vale ainda saber que, de acordo com um estudo da PWC, 77% dos brasileiros são diretamente influenciados pelas redes sociais na compra de produtos, e isso pode vir de comentários, interações com as marcas e, claro, dos likes.

  1. Fortaleça seu SAC 3.0

Atender o cliente quando ele quiser? Ser rápido nas respostas? Trazer soluções práticas? Ter guardado nas mangas aquela sugestão inesperada? Tornar o atendimento humanizado? Tudo isso precisa fazer parte do seu SAC 3.0. Afinal, esse mecanismo é mais do que nunca a chance perfeita para chegar bem pertinho do cliente.

Inclusive, é bom comentar que para 37% dos consumidores, o fato de poder conversar por bate-papo online com a marca é fator determinante para a decisão de compra. Esse dado, divulgado pelo relatório Comércio Móvel no Brasil, do Panorama Mobile Time/Opinion Box, mostra claramente que um SAC 3.0 tem mesmo que aproveitar o momento e investir no contato com o usuário.

Lembre-se de que essa ferramenta também pode ser potencializada com o uso do Social Monitoring e do Social Listening, já que você saberá exatamente o que falar e tratar com aquele consumidor, pois estava de olhos bem atentos nas interações e menções dele com a sua e outras marcas.

  1. Aposte na relação com influenciadores

Sim, o Instagram não tem mais likes visíveis, mas isso não quer dizer que o trabalho dos influenciadores acabou. Muito pelo contrário, agora o que conta é exatamente o poder dessas pessoas com a comunicação que fazem com o público. Diante disso, vale muito a pena contar com parcerias para a divulgação de campanhas, promoções, novidades e tudo mais o que estiver ligado as vendas de Natal.

O ideal é que a sua equipe faça uma robusta e completa varredura nas redes, para detectar quem realmente tem a ver com a empresa e o público. Assim, toda a estratégia estará mais amarrada e pensada milimetricamente em todos os detalhes.

  1. Use a linguagem certa

Você sabia que as gerações que mais usam as redes sociais são: os Millennials, nascidos entre 1980 e 1994 (90,4%), geração X, nascidos entre 1960 e 1979 (77,5%), e baby boomers, de 1940 a 1959 (48,2%)? Pois é. Esse é o público majoritariamente da internet no mundo todo, incluindo o Brasil. A geração mais nova, a Z, nascidos entre 1995 e 2010, acabou de chegar à maioridade e, por isso, ainda representa pouca participação nas redes (26%), mas também já começam a movimentar o comportamento que será ditado a partir de agora.

O que importa com todos esses números é que você tenha em mente o seguinte: o público que mais compra hoje é jovem e muito, muito exigente. Portanto, além de continuar fazendo um ótimo trabalho de relacionamento com os consumidores mais maduros, é essencial exercitar a linguagem mais jovem, para atender aos consumidores que são ávidos por atenção, querem tudo para agora e estão comparando preços e qualidade o tempo todo.

No mais, o momento de se preparar é agora. Faça o possível para estar alinhado para os meses que estão por vir, não se esqueça de que o Natal é aquele momento mágico (em todos os sentidos) e aproveitar a ocasião para surpreender positivamente o cliente é palavra de ordem. Are you ready?

O seu SAC 3.0 está preparado para as vendas de Natal?

 

Todos os anos o varejo nacional e internacional se reinventa para acompanhar o desejo dos clientes. Sabemos que a tecnologia e o poder das redes sociais têm movimentado milhões de pessoas em cliques, curtidas, páginas seguidas e interações de todas as formas.

A mensageria, então, bate recorde atrás de recorde: hoje, 97% dos brasileiros que tem WhatsApp acessam o app todos os dias, 63% o Direct do Instagram e 62% o Messenger do Facebook, segundo o relatório Mensageria no Brasil, do Panorama Mobile Time/Opinion Box. Então, não é à toa imaginar que o poder das vendas deste final de ano está justo aí: nas redes sociais e na mensageria.

Nesse cenário, tem uma rede, em especial, que merece a nossa atenção: o Instagram. Se você tem um perfil por lá, já deve ter notado que a plataforma tem conseguido mostrar mais e mais assuntos de seu interesse, funcionando como uma rede bem potente de varredura de dados dos usuários, sabendo identificar onde há público para determinado assunto. E só para se ter uma ideia, o IG já alcança mais de 69 milhões de brasileiros, segundo a pesquisa Digital 2019 – Brazil. Podemos dizer, sem sombra de dúvidas, que o Instagram já é hoje a maior vitrine virtual do mundo.

Agora, voltando ao nosso ponto principal aqui: será que você está mesmo preparado para as vendas de Natal, levando em consideração a certeza de que é preciso marcar presença nas redes sociais também com um bom SAC 3.0?

Vamos aos números!

Para entender e se preparar para esse tsunami de compras que vem pela frente (e que bom, vamos combinar), é preciso saber bem em que terreno se está pisando. Atualmente, o Instagram tem mais ou menos 20 milhões de perfis comerciais no mundo, sendo que 85% dos usuários seguem ao menos uma empresa nessa rede.

São mais de 1,5 bilhões de curtidas por dia, com os usuários gastando uns 58 minutos diários, em média, na plataforma, e cerca de 4h mensais. E só em 2018, por exemplo, o IG viu um aumento de 800% no número de seguidores em perfis comerciais, de acordo com o relatório Mídias Sociais 360º, da Faap. Na outra ponta, o Facebook acompanhou um aumento de 34% na quantidade de seguidores para empresas. Ou seja: se os clientes estão seguindo a sua marca, e adoram interagir por lá, não tem mesmo como evitar (ou ignorar) fazer valer as vendas natalinas deste ano usando esses aliados poderosíssimos.

E tem mais, pois de acordo com a Locowise, mais de 75% dos usuários do Instagram já visitaram o site de uma empresa a partir de….um anúncio que viram no seu feed. Se não bastasse, 60% dos usuários afirmaram ficar sabendo sobre determinado produto justamente na plataforma.

Em suma: muito do que você anda vendendo pode estar vindo do contato por essa rede social — o que é, sejamos sinceros, algo incrível e uma tendência fortíssima daqui para a frente.

De storie em storie se cria uma história com o cliente

Opa, todo mundo quer falar, todo mundo quer ver o que o outro está fazendo. E os stories do Instagram é justamente isso. Hoje, mais de 500 milhões de usuários usam essa ferramenta t-o-d-o-s os dias, e destes pelo menos 40% afirmam que fizeram uma compra a partir dessa visualização. Quem garante isso é o próprio Instagram que, pensando em todo esse potencial, começou ainda em 2018 a facilitar as compras diretamente nos stories.

A mensageria vem caminhando lado a lado em toda essa dança virtual. O SAC 3.0 nunca esteve tão vivo como agora, tendo papel fundamental no atendimento ao cliente e naquele toque mais humanizado no relacionamento. E mesmo que tenhamos mais e mais bots fazendo todo o auxilio desse contato, as relações estão sim mais inteligentes, rápidas, eficazes e bem personalizadas.

Só no Messenger, por exemplo, já foram mais de 40 milhões de mensagens trocadas entre empresas e consumidores, segundo o Facebook. WhatsApp, então, nem se fala, são mais de 60 bilhões de mensagens trocadas todos os dias — com uma estimativa de mais ou menos 30% apenas entre marcas e consumidores.

Estar preparado para as vendas de final de ano, em especial no Natal de 2019, é ter em mente que toda a estratégia de marketing/comercial precisa estar entrelaçada com essas plataformas. Se você ainda não está dentro dessa jogada de ouro, é bom se movimentar, pois é agora o momento de montar “A” estratégia e organizar todos os bastidores para o ho ho ho que logo mais está aí. Que tal, let’s go?